Conhecimentos Gerais | Só mais um site Rumo à EsFCEx

VÍDEOAULAS DE HISTÓRIA PRODUZIDAS PELA USP

Olá pessoal!

Dia desses, visitando o portal E-aulas da USP descobri alguns vídeos bem interessantes
que podem nos auxiliar durante o processo de preparação do concurso da ESFCEX.
Trata-se de vídeos da disciplina História do Brasil Colonial II, do curso de graduação
em História da USP. No total são 34 vídeos.
Destaco que os vídeos têm um caráter bem diferente dos conteúdos trabalhados em
cursinhos preparatórios ou coisa que o valha. Considerando que compreende uma
disciplina de um curso de graduação, a temática trabalhada é bem mais aprofundada,
o que particularmente gosto muito, fugindo do senso comum e prevalecendo o
rigor científico e aproximando-se de especificidades da história do Brasil, conteúdo
normalmente cobrado pela banca.
Desse modo, segue abaixo o link que direciona para os vídeos com o conteúdo da
disciplina:

http://www.eaulas.usp.br/portal/discipline-intermediate!render.action?
knowledgeArea=Exatas&discipline=2657

Por fim, vale lembrar que o portal E-aulas da USP é uma bela iniciativa da instituição
que tem compartilhado na rede o conteúdo trabalhado nos diversos cursos de graduação,
atendendo ao preceito do open access, no que se refere à produção científica. Lembro,
ainda, que tal qual a disciplina do curso de história, existem outros vídeos de distintos
cursos de graduação, o que, talvez, possa auxiliar nos estudos das específicas de cada
área. Então, vale a pena visitar! Acesso em: www.eaulas.usp.br

Abraço e continuemos firmes

RESUMO PLANOS ECONÔMICOS REPÚBLICA

1) 1946-1951 – GOVERNO DUTRA – PLANO SALTE

Saúde, alimentação, transporte e energia

Não apresentou resultados significativos pela falta de verbas, já que as divisas acumuladas durante a segunda guerra mundial foram todas gastas.

2) 1956-1961 – GOVERNO JUSCELINO – PLANO DE METAS

Voltado para a industrialização, capitais estrangeiros, política desenvolvimentista.

Indústrias de bens de consumo, indústria naval.

31 metas: energia, transporte, alimentação, indústrias de base, educação e a construção de Brasília, chamada de meta-síntese.

Criação de órgãos paralelos para evitar a “rotina burocrática” como a criação da SUDENE para evitar a corrupção da DNOCS.

O ISEB (instituto superior de estudos brasileiros) funcionou como órgão de assessoria ao programa de metas. Política nacional-desenvolvimentista.

JK articulou o Estado, o capital nacional e o capital estrangeiro, concedendo-lhes grandes facilidades.

Grupo executivo da indústria automobilística (GEIA) – incentivar a produção de automóveis e caminhões, principalmente com capital estrangeiro.

3) 1961-1964 – GOVERNO JOAO GOULART – PLANO TRIENAL

Elaborado pelo ministro Celso Furtado. Pretendia combinar o crescimento econômico, as reformas sociais e o combate à inflação. Previa a reforma agrária, reformas administrativas, fiscais, etc.

Redução dos gastos públicos, mas não dos investimentos e sim dos subsídios dados à importação de certos produtos e aumento dos impostos sobre grupos de renda mais alta.

O plano fracassou.

REFORMAS DE BASE: REFORMAS SOCIOPOLÍTICAS

1) Reforma agrária: eliminar conflitos pela posse da terra e garantir acesso à terra. Desapropriação da terra com indenização de títulos da dívida pública.

2) Reforma urbana: criar condições pelas quais os inquilinos poderiam se tornar proprietários das casas alugadas;

3) Reforma política: necessidade de estender o direito de voto a dois setores diversos: os analfabetos e os inferiores das forças armadas, de sargento para baixo.

Diversos: nacionalização das empresas concessionárias de serviço público, dos frigoríficos e da indústria farmacêutica; regulamentação de lucros para o exterior, extensão do monopólio da Petrobrás.

4) 1964-1967 – GOVERNO CASTELO BRANCO – PAEG

Alcançou seus objetivos, foi bem sucedido apesar dos prejuízos sociais;

Redução do déficit do setor publico, contrair crédito privado, comprimir salários. Controle dos gastos dos estados, proibindo endividamento sem autorização federal.

Corte dos subsídios a produtos básicos como trigo e petróleo. Introdução da correção monetária para pagamento de impostos em atraso.

Fim da estabilidade no emprego após 10 anos, criação do FGTS.

Estatuto da terra – promoção da política agrícola, execução da reforma agrária.

Rompimento do estrangulamento das exportações. Campanha de exportação de produtos agrícolas e minerais do país.

– combinação de corte de despesas e aumento de arrecadação.

– O projeto teve sucesso também graças à ajuda americana através da Aliança para o progresso.

5) 1967-1969 – GOVERNO COSTA E SILVA – PED

Objetivo é mais o desenvolvimento do que o controle da inflação.

Aumento do PIB e da renda nacional.

Metas praticamente atingidas.

6) 1969-1974 – GOVERNO MÉDICI – I PND

Resumo baroni.

7) 1974-1979 – GOVERNO GEISEL – II PND

Visava à energia nuclear com a Alemanha, Proálcool, construção naval, construção de metrôs no RJ e SP;

Buscava completar o processo de substituição de importações no país, avançar na autonomia de insumos básicos (petróleo, aço, etc) e da industria de bens de capital, como máquinas e ferramentas. Preocupação principal com o problema energético, construção de hidrelétricas.

Grandes investimentos na empresa estatal, como Eletrobrás, Petrobras e Embratel.

8)  1979-1985 – GOVERNO FIGUEIREDO – III PND

Investimento no Proálcool, novas prospecções de petróleo, houve necessidade de recorrer ao FMI. Resumo baroni.

 

9) 1985-1989 – GOVERNO SARNEY – DIVERSOS PLANOS

a) Plano cruzado: o cruzeiro é substituído pelo cruzado + indexação foi abolida + os preços e a taxa de câmbio foram congelados por prazo indeterminado e os alugueis por um ano + reajuste do salário mínimo de acordo com o valor médio dos últimos seis meses e abono de 8% + reajuste automático quando a inflação chegar a 20% + empregadores e empregados podem negociar livremente aumentos adicionais de salário + extinção da correção monetária e criação do índice de preços do consumidor para corrigir a poupança e aplicações financeiras superiores a um ano.4

 

b) Plano cruzado II: conhecido como “cruzadinho” que atingiu o consumo da classe média, pois instituiu um empréstimo compulsório na compra de carros, de gasolina e álcool, de dólares para viagem e passagens aéreas ao exterior.

 

c) Plano Bresser: novo congelamento de preços, aumento das tarifas públicas, extinção do abono salarial, suspensão do pagamento de juros da dívida externa ao clube de Paris.

 

d) Plano Verão: moeda cruzado pede três zeros e passa a cruzado novo. Criação do Bônus do tesouro nacional para indexar a economia.

 

10) 1990-1992 – GOVERNO COLLOR – DIVERSOS PLANOS

a) Plano Collor: bloqueio das contas de poupança acima de 50 mil cruzados-novos, tabelamento dos preços. A moeda voltou a se chamar cruzeiro, inicio do processo de privatização da economia.

b) Plano Collor II: extinção dos BTN (s) e de todos os indexadores oficiais, aplicação financeira de overnight deixou de existir, novo congelamento de preços.

RESUMO GEOGRAFIA – MILTON SANTOS

RESUMO GEOGRAFIA – MILTON SANTOS

– Período técnico-científico = nos anos 70 no Brasil, revolução das telecomunicações.

– O novo meio geográfico (técnico-científico-informacional) permanece circunscrito a algumas áreas. Com ele, agravam-se as diferenças regionais e aumenta a importância da região concentrada (sudeste + sul) com a hegemonia paulista;

– As primeiras indústrias brasileiras não eram obrigatoriamente urbanas. Algumas dependiam diretamente de matérias-primas ou de fontes de energia que se encontravam fora das cidades;

– Entre 1900 e 1940, estabelece-se uma rede urbana de cidades, é um começo de integração nacional e um início da hegemonia de SP, formação de um esboço de mercado territorial localizado no centro-sul;

– Até 1930, houve um crescimento não-intencional da indústria baseada na substituição de importações;

– A produção industrial torna-se mais complexa, estendendo-se sobretudo para áreas novas do Sul, alguns pontos do centro-oeste, do Nordeste e do Norte (Manaus);

 

RESUMO COMPLEMENTAR PROVAS DE GEOGRAFIA 2003 A 2006

RESUMO COMPLEMENTAR PROVAS DE GEOGRAFIA 2003 A 2006

– O Brasil atingirá a estabilidade demográfica em 2025, o que irá refletir importantes mudanças estruturais da sociedade brasileira;

– A década de 90 observa o crescimento populacional dos municípios de médio e pequeno porte, a diminuição do movimento migratório em direção ao Sudeste, a continuidade do vetor migratório em direção a Amazônia;

– Implantação da refinaria do nordeste, no Ceará, fundamental para diversificação industrial cearense;

– as maiores jazidas de minérios metálicos encontram-se na província do Xingú;

– Atualmente, estamos em fase de transição demográfica avançada, temos uma diminuição do crescimento populacional, o perfil etário se aproxima dos países desenvolvidos e a população adulta está aumentando, percentualmente, no conjunto da população;

– A criação da Sudene, na Bahia, resultou numa alteração estrutural na economia baiana, deixando de ser baseada em atividades agroexportadoras, passando a um modelo urbano-industrial;

– Em escala regional, as estratégias de industrialização desenvolvidas pela SUDENE promoveram uma descentralização industrial concentrada nas metrópoles;

– Os incentivos da Sudene contribuíram para a formação de um importante pólo têxtil no Ceará;

– Em Pernambuco, as atividades industriais que predominaram NÃO FORAM as de produção de bens intermediários;

– Os mais importantes commodyties exportados pelo Brasil são o suco de laranja, a soja e o café;

– Em 2001, eram legalmente reconhecidas vinte e uma regiões metropolitanas no Brasil, que correspondem a um conjunto de municípios integrados socioeconomicamente a uma cidade central, com serviços públicos e infraestruturas comuns;

– A integração efetiva do Mercosul depende da melhora na infraestrutura de transporte disponível, promovendo uma integração física do bloco. Não depende de divisão espacial do trabalho;

– No Brasil, os climas subúmidos correspondem às regiões de influência da MEC e da MTA;

– A Amazônia legal foi definida a partir da criação da SUDAM, como uma região de planejamento;

– o porto de Belém é considerado uma das principais portas de entrada para a Amazônia porque possui a melhor infraestrutura para o acostamento de embarcações de grande porte;

– Cidades como Salvador e Porto Alegre oferecem, às suas populações, bens e serviços de consumo muito e menos freqüentes. Os grandes centros brasileiros, como SP e RJ, possuem bens e serviços de consumo raro;

– A inserção da economia brasileira no processo de globalização inicia-se no início dos anos 90, consolidando-se com a liberalização comercial e a atração de investimentos estrangeiros diretos a partir de meados da década de 90;

– Os piores IDH não estão no semiárido nordestino, nem na Amazônia, mas em Alagoas e na PB;

– desde a 2ª metade da década de 1990, a Petrobrás não detém mais o monopólio sobre a pesquisa e a lavra de gás natural e de petróleo no território brasileiro.

– A localização da indústria não se define unicamente pelos mecanismos da economia de mercado, dependendo também de um política de Estado, a exemplo da localização dos centros siderúrgicos estatais no Vale do Aço mineiro;

– Um fato marcante da rápida urbanização brasileira é o contínuo crescimento das regiões metropolitanas, salvo o das metrópoles de SP e RJ, que sofrem efeito contrário;

– em NY não residem 600 mil brasileiros;

– As regiões tendem a se especializar em poucos setores da atividade econômica;

 

RESUMO PROVAS GEOGRAFIA

RESUMO PROVAS GEOGRAFIA

ENERGIA

– O esgotamento de possibilidades de construção de grandes hidroelétricas na região Sudeste levou a uma mudança para modelos menores;

– As termoelétricas hoje existentes funcionam com matrizes energéticas como o carvão e o gás natural;

– Os chamados biocombustíveis tem sua matriz em programas anteriores como o Pró-álcool criado em 1975;

– A diversificação das fontes energéticas constitui-se em uma estratégia importante para o país, pois diminui a dependência em crises internas ou externas;

– O etanol e o biodiesel não substituirão EM CURTO PRAZO as demais fontes de energia;

– O principal subproduto da exploração do carvão é a pirita, responsável pela acidificação dos recursos hídricos.

– O carvão energético é destinado a produção de termoeletricidade e o carvão coque, destinado às siderurgias;

 

URBANIZAÇÃO

– É uma característica histórica da urbanização brasileira as cidades que se voltavam muito mais para o exterior do que para o território nacional;

– teoria das localidades centrais: hierarquia urbana, centros importantes e NÃO é uma característica histórica da urbanização brasileira;

– As metrópoles e grandes cidades brasileiras apresentam um grande déficit de habitação. A causa desse déficit é a natureza monopolista do mercado do solo urbano. NÃO SÃO CAUSAS: a desarticulação entre os entes federativos nem a carência de planejamento urbano integrado;

– Na década de 90, não houve aumento dos migrantes do campo para as metrópoles, nem retorno da população da cidade para o campo.

– Nas década de 90, as metrópoles regionais, pelas relações nacionais que passam a estabelecer, tenderam a mudar a sua qualificação.

– A partir da década de 1980, a cidade de SP passou por um processo de perda relativa da sua participação industrial para outras regiões do Estado de SP e do Brasil, pois houve sua transição para cidade informacional;

– O desenvolvimento capitalista brasileiro criou condições para tornar a cidade de SP uma metrópole com grande poder de centralização, devido a característica de ser uma metrópole econômica e ter a contigüidade moderna;

– A partir da década de 50 do século passado, estabelece-se uma tendência à aglomeração da população em cidades com mais de 20 mil habitantes, conduzindo a um processo de urbanização concentrada e posterior metropolização;

 

POPULAÇÃO

– Os movimentos migratórios têm se reduzido em direção ao Sudeste. No Nordeste este movimento caracterizou-se mais pelo seu caráter intrarregional;

 

ESPAÇO RURAL

– Pode-se associar ao desenvolvimento capitalista no campo brasileiro a destruição e recriação do trabalho camponês.

– O latifúndio por dimensão é todo imóvel com área superior a seiscentas vezes o módulo rural médio fixado para a respectiva região e tipos de exploração nela decorrentes;

– A causa do Brasil apresentar grande mobilidade da população é a necessidade de mão de obra estacional e a ocupação da fronteira agrícola;

– culturas de exportação: laranja na região Sudeste, em SP e no triângulo mineiro;

– O processo histórico que gerou a concentração fundiária no Brasil revela que ocorreu, simultaneamente a essa concentração, um crescimento dos pequenos estabelecimentos rurais;

 

NORDESTE

– É uma característica atual a agricultura moderna localizada nos perímetros irrigados;

 

VEGETAÇÃO

– O domínio morfoclimático dos Mares de Morros apresenta maior suscetibilidade a desastres naturais dadas as suas características morfoestruturais.

– O elevado aumento dos totais pluviométricos NÃO é o responsável pelas catástrofes urbanas;

– CERRADO: apresenta árvores e arbustos baixos coexistindo com gramíneas. Existem, no entanto, outras fisionomias que vão de campos limpos até formações arbóreas. Abriga uma importante biodiversidade e apresenta grande quantidade de espécies endêmicas ainda pouco conhecidas;

– MATA ATLÂNTICA: é um dos biomas mais importantes para a preservação da biodiversidade brasileira e mundial. É uma formação vegetal densa com árvores altas em setores mais baixos do relevo;

– CAATINGA: é uma formação bastante heterogênea e apresenta grande variedade de espécies. Sua vegetação é xerófila, na qual predominam arbustos caducifólios e espinhosos. No verão, em razão da ocorrência de chuvas brotam folhas verdes e flores.

CLIMA

– A MEC não influencia diretamente o clima seco do Nordeste brasileiro;

GLOBALIZAÇÃO

– A globalização atua DIRETAMENTE no território alteranto a sua configuração espacial;

– Os movimentos de concentração e desconcentração da indústria estão intrinsecamente ligados às demandas internacionais;

– A expansão da cadeia da soja e avicultura no Centro-Oeste do país obedece a uma lógica de minimização de custos das grandes empresas;

– A lógica da organização territorial no Brasil obedeceu, em uma fase inicial, o interesse nacional. Hoje, apresenta-se fragmentada e subordinada às demandas internacionais;

 

INDÚSTRIA

– A partir da década de 70 do século passado, o Brasil passa por um movimento de transformação da produção industrial.

– A produção industrial tornou-se mais complexa e estendeu-se para novas áreas do Sul e alguns pontos do Centro-Oeste, Nordeste e Norte (Manaus);

– No período compreendido entre 1970 e 1990, a região Sul desponta como ganhadora de investimentos na área industrial;

– O crescimento de indústrias do setor de alimentos como a Ceval e a Sadia cria na região Sul um locus de grandes empresas;

– A desconcentração industrial no Brasil não tirou a hegemonia do Sudeste;

– Muitas das economias externas necessárias à atividade industrial, como centrais elétricas, usinas siderúrgicas e estradas, entre outras, foram feitas à custa dos investimentos do Estado brasileiro;

– A aceleração do processo de substituição das importações do Brasil, a partir da II GM, revelou que as economias externas do Sudeste já apresentavam condições para produzir bens de consumo duráveis;

– Em relação à indústria brasileira do século XXI, pode-se afirmar que no país foram criados vários pólos tecnológicos que concentram atividades de pesquisa e desenvolvimento de tecnologia de ponta, o apoio governamental foi fundamental para este acontecimento;

 

AMAZÔNIA

– A Amazônia compreende um território entremeado de grandes vazios populacionais, o que pode facilitar a implantação de grandes projetos hidroelétricos, essenciais ao crescimento do país.

– O grande potencial hídrico da Amazônia a torna uma área estratégica frente aos cenários de escassez hídrica global que se avizinham;

 

PLANEJAMENTO REGIONAL

– A região centro-sul se implantou sobre um meio mecanizado e com denso sistema de relações. Desponta como região ganhadora especialmente no setor secundário e terciário;

– A região nordeste caracteriza-se como de povoamento antigo. Evidencia baixos índices de mecanização, apresentando manchas de prosperidade e muitos núcleos de urbanização;

– A região centro-oeste é considerada como área de ocupação periférica recente. Apresenta forte crescimento no setor primário, beneficiado pelo relativo baixo valor da terra;

– A região norte possui baixa densidade demográfica e forte influência do setor primário na economia regional;

– As terras do atual estado do Acre foram adquiridas, nos termos finais, a partir de acordos com a Bolívia e com o Peru;

– O fundamento da atual divisão regional feita pelo IBGE, estabelecida em 1988, foi definido a partir das características econômicas, demográficas e naturais e corresponde às macrorregiões homogêneas;

– As regiões geoeconômicas brasileiras foram criadas pelo geógrafo Pedro Pinchas Geiger e dividiu em AMAZÔNIA, NORDESTE E CENTRO-SUL, os critérios dessa divisão seriam os processos socioeconômicos de cada porção do território e de acordo com esse critério, os limites entre essas regiões não obedecem aos limites político-administrativos dos estados;

 

 

MERCOSUL

– Uma das situações adversas que afetaram o funcionamento do Mercosul foi a crise econômica e política que abalou a Argentina no início desta década;

– O bloco econômico vigora desde 1991, inicialmente como área de livre comércio, com a assinatura do Tratado de Assunção pelos quatro países signatários: Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai;

– Apesar da importância no âmbito regional, o Mercosul, se comparado economicamente aos grandes blocos mundiais, é bastante pequeno;

– Dentre os óbices à maior integração econômica do Mercosul está a grande diferença socioeconômica entre os países membros e a extrema fragilidade de algumas economias;

– O Brasil apresenta vantagens em relação aos outros parceiros, uma vez que sua economia possui grande capacidade instalada para atender o Mercosul.

– O Mercosul tem como objetivo buscar estabelecer uma tarifa externa comum que é, na verdade, um conjunto de tarifas que incidem sobre as importações realizadas pelos países-membros do bloco;

 

RECURSOS MINERAIS

– O setor mineral no Brasil apresenta três importantes segmentos: a metalurgia, a química e a indústria de cimento;

 

RELEVO

– As três grandes macroestruturas geológicas que desempenham papel importante no relevo brasileiro são as bacias sedimentares, áreas cratônicas e dobramentos antigos;

– Em relação às planícies brasileiras, elas ocupam extensões menores que os planaltos, apesar da sua grande expressão na Amazônia;

 

 

 

CLIMA

– O posicionamento astronômico do território brasileiro se dá nos hemisférios norte e sul e no ocidental, com extensão de cerca de 38º de Latitude por 39º de longitude. Esta disposição é um dos fatores que produzem a grande diversidade climática no país;

 

RESUMO GEOGRAFIA

RESUMO GEOGRAFIA apostila azul

– As atividades econômicas desenvolvidas no Brasil ao longo da história estão associadas às potencialidades naturais do território.

– Um fato que se destaca nos três primeiros séculos de ocupação do território brasileiro é a descontinuidade espacial, formação de “ilhas”;

– Os tropeiros e pecuaristas foram os principais responsáveis pela consolidação de rotas mais duradouras, bem como pela instalação de áreas de pouco, que gradativamente se tornaram núcleos de povoamento;

– O século XIX destacou-se pela aceleração do processo de expansão do território a partir de várias atividades econômicas;

– O século XX marcou a consolidação do território brasileiro não somente por sua efetiva ocupação, como também pelo processo de integração, que possibilitou, com as vias de transporte, superar o caráter de “arquipélago”;

– somente nas últimas décadas do século XIX passou-se a empregar o trabalhador livre;

– O crescimento da economia agroexportadora foi decisivo para o impulso industrial das últimas décadas do século XIX.

– Graças à demanda interna e políticas estatais (financiamentos, protecionismo) é que a indústria brasileira teve avanço através do processo de substituição de importações.

– A partir da crise de 1929, a atividade industrial passou a ser o carro-chefe da economia, ultrapassando o setor agroexportador.

– A obtenção de financiamento norte-americano para criação da indústria siderúrgica representou a chegada da Segunda revolução industrial no Brasil;

– em 1940, o espaço ainda é fragmentado e pouco integrado;

– As fronteiras regionais podem ou não coincidir com as divisões político-administrativas estabelecidas;

– 1ª divisão do Brasil em regiões: 1941, pelo IBGE, 21 estados, 1 território, 1 distrito federal, 5 regiões de acordo com características naturais e limites político-administrativos dos estados;

– Divisão do Brasil atual: divisão de 1967 + alterações de 1988, ou seja, Roraima e Amapá passam a ser estados, criação do estado de Tocantins pela divisão do norte de Goiás, 26 estados e 1 distrito federal, totalizando 27 unidades político-administrativas. O Brasil encontra-se dividido em 5 macrorregiões.

– Os constantes déficits da balança comercial, associados às leis de redução das remessas de lucros, dificultaram a aceleração da industrialização. Somente na segunda metade dos anos de 1950, no governo J.K, houve uma guinada em relação à obtenção de capitais externos.

– O Estado permaneceu implantando a infraestrutura (transportes, energia, comunicações) e criando e expandindo as indústrias de base (siderúrgica e petroquímica), porque eram considerados setores de riscos. Apesar disso, a industrialização brasileira passou a depender da expansão capitalista dos países centrais, ou seja, dos investimentos das multinacionais;

– As empresas de capital nacional passaram a ocupar um papel secundário diante das multinacionais e das estatais;

– Depois do golpe militar de 1964, cresceu de modo significativo o elo entre a economia brasileira e o capital internacional;

– O conhecido milagre econômico provocou forte concentração de renda. O milagre foi encerrado com a primeira crise do petróleo em 1973;

– Nordeste:

a) grande variedade de paisagens climatobotânicas, por isso possui 4 sub-regiões: zona da mata, agreste, sertão e meio-norte;

b)No meio-norte a expansão ocorreu no sentido norte-sul;

c) Seu primeiro grande surto industrial ocorreu durante os governos militares com incentivos da SUDENE. As principais áreas industriais são Salvador, Recife e Fortaleza;

– Sudeste:

a) SB = cidade mundial;

b) A produção agrícola da região apresenta os maiores níveis de mecanização do país. Importantes agroindústrias de laranja e cana de açúcar estão principalmente no estado de SP. No entanto, como em outras regiões, essa agricultura moderna coexiste com cultivos tradicionais e pouco mecanizados;

– Sul:

a) maior parte na zona temperada;

b) seu crescimento demográfico e econômico começou a ocorrer apenas no século XIX através dos imigrantes europeus com um sistema de pequenas propriedades. Apresenta os melhores indicadores sociais em saúde e educação.

– Centro-oeste:

a) Sempre se manteve afastado do centro das decisões políticas. A partir da segunda metade do século XX, o sul da região recebeu os reflexos do crescimento da economia paulista.

b) com as rodovias que ligavam a nova capital ao restante do país, migrantes sulinos, em grande maioria, passaram a desbravar o cerrado com o cultivo de grãos. O baixo preço da terra naquele momento é que provocou a atração.

– Norte:

a) O primeiro grande surto de ocupação foi com a borracha entre 1870 e 1910;

b) A partir dos governos militares é que a região se integrou ao contexto nacional a partir de duas grandes rodovias: a transamazônica e a Cuiabá-santarém;

c) Atualmente, a região apresenta a maior concentração de grandes propriedades do Brasil;

– Com o enriquecimento, o Sudeste, liderado pela cidade de SP, tronou-se o grande articulador do processo de integração nacional. As demais regiões passaram a gravitar em torno dele;

– Regiões geoeconômicas: Amazônia, nordeste e centro-sul. Feita pelo geógrafo Pedro Pinchas Geiger, de acordo com os processos socioeconômicos e os limites dessas regiões não respeitam os limites político-administrativos dos estados.

– No século XX, os geógrafos Milton Santos e Maria Laura Silveira apresentaram uma nova proposta, com a divisão em 4 regiões de acordo com o meio técnico-científico-informacional e são elas: Amazônia, nordeste, centro-oeste e REGIÃO CONCENTRADA (sudeste + sul).

– Na região concentrada, estariam implantados os níveis da técnica, da ciência e da informação que lhe garantiriam participar mais efetivamente do processo de globalização. Dessa forma, a região concentraria atividades relacionadas ao setor terciário e de serviços superiores (finanças, marketing),

– Na região concentrada também haveria atividades industriais de ponta e atividades agrícolas mecanizadas e com alta produtividade. As demais regiões estariam em estágios técnico-científicos menos avançados.

– 60% da Amazônia encontra-se em território brasileiro. A Amazônia brasileira se chama AMAZÔNIA LEGAL e compreende a região norte, o MT e algumas porções do MA;

– SIVAM = sistema de vigilância da Amazônia, criado em 1990, para controle do espaço aéreo e presença das forças armadas na região.

– SIPAM = sistema de proteção da Amazônia, promove o levantamento de informações que subsidiam as ações de proteção da Amazônia;

– O capital externo também financiou a Amazônia;

– O desenvolvimento não uniforme do país está relacionado, entre outras razões, à sua grande extensão territorial;

– atualmente, a região Sudeste desempenha o papel de líder na formação do mercado interno; são as demandas nela geradas que resultam na ocupação dos espaços econômicos mais importantes do país.

– Nas últimas décadas, tem-se verificado um movimento de desconcentração das atividades industriais rumo a outras regiões brasileiras;

– Polos de desenvolvimento foram criados durante a ditadura como o poloamazônia, o pólo centro e o pólo noroeste, que incentivavam a exploração mineral e projetos agropecuários direcionados à exportação;

– no governo Lula, o Estado ampliou sua participação em obras públicas;

– A ocupação da Amazônia se fez em surtos ligados a demandas externas seguidos de grandes períodos de estagnação e decadência;

– Em SP, a maioria das ferrovias empregou capital nacional, com exceção da SP railway. Nas demais partes do Brasil, foi o capital inglês que financiou;

– ao final da década de 1950, o Estado estatizou boa parte das ferrovias. As ferrovias não integram regiões, mas ligam as áreas produtoras aos portos;

– causas da decadência das ferrovias: crescimento da indústria automobilística no país + pressão das multinacionais do setor no sentido de estimular o crescimento das rodovias;

– Não se pode negar que as rodovias contribuíram para a integração intra e interregional. Em outras palavras, enquanto o traçado das ferrovias era determinado pela áreasprodutoras de bens e seu objetivo principal era o escoamento da produção, as rodovias, com traçado mais flexível, permitiram novas ligações entre espaços diferenciados;

– cerca de 90% das rodovias se encontram ainda sem pavimentação;

– BR 364 = Cuiabá-Porto Velho. Essa estrada promoveu o rápido povoamento de Rondônia. O processo de ocupação teve a ação direta do Estado. Ao longo dessa rodovia ocorreu uma ocupação desordenada tanto por particulares como por companhias colonizadoras. Ali se instalaram milhares de migrantes, sobretudo sulinos, que provocaram intenso processo de desmatamento;

– O Brasil chega ao século XXI com um elevado grau de integração territorial;

– Na segunda metade da década de 1990, as principais rodovias passaram por privatização por meio de concessões;

– A região norte foi quem mais cresceu economicamente, por causa da expansão da agropecuária, como o arroz, a soja e o gado bovino;

– A principal hidrovia brasileira é formada pelos rios Paraná e seu afluente, o Tietê. As barcaças que percorrem o rio transportam soja, álcool, milho, calcário e cana de açúcar;

– o potencial brasileiro em hidrovias não é plenamente utilizado;

– Apesar do extenso litoral, o Brasil não dispõe de um número elevado de portos. De modo geral, os portos brasileiros apresentam baixa eficiência técnica, como a morosidade na carga e descarga, a deficiência no armazenamento de mercadorias, etc.

– Atualmente, o maior porto exportador brasileiro é o de Tubarão (ES), especializado em minério de ferro. O porto de Santos (SP) destaca-se pela variedade de produtos exportados e importados;

– O sistema de transportes fluido concentra-se nas regiões sudeste e sul. Tal concentração se dá devido a um processo circular, no qual a divisão territorial do trabalho mais intensa gera uma maior necessidade de circulação, que encontra resposta na difusão dos transportes, que permitem, por sua vez, uma maior especialização e distribuição das funções produtivas. Tal processo circular leva a uma maior densidade do meio técnico em uma área contígua do território, denominada de Região concentrada;

TIPOS CLIMÁTICOS BRASILEIROS:

a)      O Brasil apresenta grande variedade de climas.

– 5 tipos climáticos:

  • Equatorial: Região norte, mEc, mEa e Zona de Convergência do atlântico sul influenciam. Temperatura média anual alta e baixa amplitude térmica. Setembro e outubro são os meses mais quentes e Junho a agosto os meses mais frios com o fenômeno da friagem. Pluviosidade alta e heterogênea.
  • Tropical equatorial: parte do Norte e do Nordeste. Inclui o semiárido, mas é mais amplo. Médias altas de temperatura. O semiárido possui de sete a oito meses de seca.
  • Tropical litorâneo do Nordeste oriental: clima úmido e quente, elevadas temperaturas, com chuvas entre o final do verão e o inverno.
  • Tropical úmido-seco ou tropical do Brasil central: clima quente e úmido no verão e quente e seco no inverno. Chuvas concentradas no verão, meses de novembro a março.
  • Subtropical úmico: massas de ar tropicais e polares. Regularidade na distribuição de chuvas, baixas temperaturas no inverno.

– El niño: mudanças bruscas na circulação da atmosfera e conseqüentes alterações nos índices pluviométricos e nas temperaturas em quase todo planeta. Significa o AQUECIMENTO das águas do pacífico e o enfraquecimento dos ventos alísios na região equatorial.

Consequências do El niño no Brasil: redução das chuvas no Norte, secas mais severas no Nordeste, superação das médias de chuva e temperaturas mais altas no MS, elevação da temperatura no inverno no Sudeste, maior ocorrência de chuvas e elevação da temperatura no Sul;

– La niña: RESFRIAMENTO das águas do Pacífico, intensificando os ventos alísios;

INDUSTRIALIZAÇÃO

– Com a chegada da família real em 1808, a revogação da medida que proibia indústria na colônia fez surgir algumas pequenas fábricas de transformação e beneficiamento de couro e de produção de tecidos e sapatos, formando a raiz da industrialização brasileira;

– Com a 1ª GM, além das indústrias de bens de consumo, surgiram fábricas de bens de produção, como pequenas siderúrgicas, metalúrgicas e fábricas de cimento;

– A tomada de poder por Getúlio Vargas, com a Revolução de 1930, consolidou a participação, nas estruturas do governo, de uma burguesia industrial nascente;

– 1940-1980 = período desenvolvimentista, planejamento integrado da economia. Implantar estradas, importar máquinas, expansão das indústrias siderúrgicas;

– Prioridades do governo militar: petroquímica, extração mineral, siderurgia, construção naval, mecânica, agropecuária e comunicações. Período de fortes investimentos públicos em obras estatais em setores considerados estratégicos, como o energético, o de transportes e o de extração mineral;

– Uma das características que marcaram todo o processo de industrialização brasileira foi a presença de capitais nacionais, estrangeiros e estatais.

– As empresas multinacionais entraram após a 2ª GM e atualmente concentram-se nos ramos automobilístico, farmacêutico, elétrico, eletroeletrônico e químico;

– Duas fases da indústria: do final do século XIX até 1970, houve concentração no Sudeste e Sul. De 1970 aos dias atuais, houve desconcentração pela ação do Estado;

– Duas condições para a desconcentração industrial: transporte eficaz e o progresso da ciência e da técnica, que permite o aumento da especialização dos lugares, muitas vezes separando a produção dos centros de decisão e comércio.

– A partir de 1980, o Estado diminuiu sua atuação na indústria.

– Tem ocorrido um significativo aumento da industrialização do Centro-Oeste, em grande parte encabeçado pelo setor agroindustrial, ligado à expansão da fronteira agrícola;

– O parque industrial brasileiro é bastante diversificado e beneficia-se do amplo mercado interno e forte potencial exportador.

– As novas descobertas de petróleo no litoral brasileiro possibilitaram a autossuficiência do Brasil;

AGRICULTURA

– propriedade da terra altamente concentrada;

– até a segunda metade do século XIX, o poder agrário estava associado à posse do escravo;

– A lei de terras e a abolição marcaram a transição para uma agricultura capitalista;

– Latifúndio: grande propriedade improdutiva

– A empresa rural não pode ser chamada de latifúndio;

– A moderna empresa rural surgiu após 1970, com a utilização da química e de outros ramos da ciência;

– A partir da década de 1970, juntamente com a implantação de tecnologia no campo, o movimento da fronteira agrícola passou para os estados do Centro-Oeste;

– Lavouras temporárias: todas aquelas utilizadas para o plantio de curta duração, geralmente menos de 1 ano. Ex: soja, milho, açúcar. As terras que estão em descanso também são lavouras temporárias;

– Lavouras permanentes: de longa duração, duram vários anos sem precisar de um novo plantio. Ex: café, laranja, cacau e banana;

– Pastagem natural: destinam-se ao gado e sua formação se deu sem o plantio.

– Pastagem plantada: se deu através do plantio. Predomina no Brasil.

– Matas e florestas naturais: áreas de extração vegetal e reservas florestais. Predomina.

– Matas e florestas plantadas ou artificiais: áreas empregadas para plantio comercial como o eucalipto e o pinheiro;

– a agricultura brasileira atingiu um alto grau de crescimento nos anos de 1970;

– Foram aumentadas as áreas de cultivo de produtos ligados à transformação industrial, como soja, madeira, cana e laranja e diminuídas as áreas de produtos de menor integração industrial como o feijão e a mandioca;

– Uma série de incentivos, como a diminuição de taxas e impostos, era dada aos produtos agrícolas que passassem por algum tipo de transformação industrial antes de serem exportados;

– O governo também implementou políticas agrícolas para os produtos voltados ao mercado interno, como o arroz, o feijão e o milho;

– As ligas camponesas existiram de 1945 a 1964 e ocupavam terras.

– Atividades como pequeno lazer ou pequenos negócios ganharam destaque a partir de 1980, configurando o “novo rural”;

– As novas atividades agropecuárias destacam-se com a criação de pequenos animais, flores, frutas e hortaliças, agricultura orgânica. O grupo das atividades rurais não-agrícolas consiste nas atividades ligadas à moradia, à prestação de serviços, ao lazer e a uma série de atividades industriais;

– No Brasil, destaca-se a produção de três matérias-primas de grande importância para a indústria: o algodão, a madeira e a borracha;

– Atualmente, destaca-se a produção de algodão em MT e BA, mas até 1980 era SP e PR;

– Atualmente, grande parte da produção de borracha vem de SP, BA e MT;

– madeira: SP, BA, PR e SC;

– arroz: RS, SC, MT e MA;

– feijão: PR, MG e BA;

– leite: MG, RS, PR e GO;

– O Brasil é o maior exportador de suco de laranja e sua produção se concentra em SP;

– A soja é uma das responsáveis pela ocupação de áreas no Centro-Oeste, na Amazônia legal e no Nordeste;

– cinturões verdes: áreas de produção de hortaliças, legumes e frutas voltadas ao abastecimento das grandes cidades.

– atualmente, o biodiesel é utilizado para substituir parcialmente o óleo diesel em motores de veículos e máquinas;

– O êxodo rural começa na década de 1930 e se acentua na década de 1950;

POPULAÇÃO BRASILEIRA

– Um dos traços mais evidentes da estrutura étnica do Brasil é a desigualdade de condições socioeconômicas;

– As pessoas que se declaram pretas e pardas compõem as maiores parcelas entre as que vivem com baixo poder aquisitivo;

– A população brasileira tinha em 2007 uma quantidade praticamente igual de pessoas que se declaravam brancas e daquelas que se declaravam pardas e pretas;;

– A escolaridade e a renda daqueles que se declaram brancos é consideravelmente superior aos negros e aos pardos;

– O processo de transição demográfica se iniciou em 1950;

– A partir das décadas de 1960 e 1970, a urbanização e a industrialização exerceram forte influência sobre as taxas de natalidade e fecundidade;

– O declínio da fecundidade teve impacto sobre a estrutura etária da população, a partir da década de 1980;

– A faixa da população em idade considerada potencialmente ativa, entre 15 e 64 anos de idade, apresentou crescimento expressivo;

– A população de 65 anos ou mais de idade dobrou a sua participação no total da população entre 1950 e 2000;

– O IDH é calculado de acordo com 3 fatores: educação (taxa de alfabetização e escolarização) + longevidade (expectativa de vida ao nascer) + renda;

– Em 2009, o Brasil ocupou a 75ª posição, com um IDH de 0,813, portanto no grupo de alto IDH, mas é uma taxa que não retrata a realidade, já que encobre as desigualdades internas de um país;

– No período entre 1980 e 2008, o Brasil passou de médio para alto IDH, elevando seu índice;

– A população negra ainda não atingiu o IDH da população branca de 1991. A diferença principal está na diferença de renda entre negros e brancos. Ainda sim, tem-se percebido o crescimento do IDH da população negra;

– A partir das últimas décadas do século XX ocorreu um movimento de entrada ilegal de imigrantes, principalmente coreanos e bolivianos;

– O êxodo rural teve início em 1930 e se acentuou a partir de 1950 com a industrialização, a concentração de terras, a mecanização do campo e o Estatuto do trabalhador rural, pois este estendeu as leis trabalhistas ao campo e muitos agricultores foram demitidos para que os fazendeiros não pagassem impostos;

– Rondônia a partir da década de 1970 passou a atrair grande número de migrantes sulinos que deixavam seus estados em busca de terra barata;

– Atualmente, o que se vêem são migrações de curta distância, pois os grandes fluxos e longas distâncias deixaram de existir.

– A urbanização intensificou-se nas regiões das fronteiras agrícolas;

– Migração de retorno = iniciou em 1990 e significa o início da saída do Sudeste e o retorno para o Nordeste;

– Saldo migratório brasileiro é negativo, pois tem mais emigração do que imigração. Principais destinos dos brasileiros: EUA, Paraguai, Japão e Europa;

URBANIZAÇÃO

– O Sudeste e o Sul industrialmente mais desenvolvidos apresentaram taxas superiores de urbanização. O Centro-Oeste mesmo com uma economia centrada no agronegócio teve índices semelhantes ao do Sudeste, pois sua agricultura é altamente mecanizada. O Norte e o Nordeste apresentam menores percentuais de população urbana, mas já são superiores a 50%;

– Um dos aspectos mais importantes da modernização brasileira no século XX foi a formação de uma rede urbana hierarquizada, comandada por RJ e SP;

– Ainda persiste uma concentração de cidades na fachada oriental, litoral;

– Regiões metropolitanas: SP, RJ, BH, Porto Alegre, Recife, Salvador, Curitiba, Belém e Fortaleza;

– Metrópoles nacionais: SP, RJ e Brasília;

– Metrópoles: BH, Salvador, Recife, Fortaleza, Curitiba, Porto Alegre, Goiânia, Manaus e Belém;

– O autor discute se o Grande RJ é uma metrópole global, já que desde a mudança da capital para Brasília, o RJ tem perdido importância econômica;

– A partir da década de 1980, a saturação das metrópoles e os problemas sociais e ambientais dela decorrentes passaram a impelir as indústrias para cidades menores ou para regiões com menores custos de produção. Esse fato abriu espaço para o crescimento de cidades pequenas e médias, o que pode ser caracterizado como DESMETROPOLIZAÇÃO. O que se observa no Brasil é uma crescente substituição das atividades do setor secundário pela concentração dos serviços em metrópoles como SP e RJ;

– Não se formou uma megalópole entre RJ e SP, mas há uma interdependência entre as atividades econômicas. Destaca-se o setor nuclear de Resende, siderurgia em Volta Redonda e aeronáutico, petroquímico, eletrônico e automobilístico em SP;

– processo de terciarização = as metrópoles já saturadas vão reduzindo os postos de trabalho na indústria e passam a gerar demandas crescentes de serviços;

– As migrações para o Sudeste sofreram uma queda expressiva. As capitais nordestinas, como Salvador, Recife e Fortaleza, cresceram em importância; cidades médias das demais regiões passaram a atrair pessoas e empresas.

1940-1975 = tendência de metropolização, formação das grandes metrópoles industriais, forte concentração geográfica das indústrias;

1980-atual = saturação das grandes metrópoles, estímulo de crescimento às cidades pequenas e médias, tendência de desconcentração geográfica das empresas industriais;

– A excessiva concentração populacional gera distorções na paisagem urbana.

– Segregação socioespacial urbana = convivência entre moradias de alto padrão e submoradias em espaços exíguos, o que gera tensões sociais;

– A classe média troca antigas casas por prédios que ofereçam segurança, melhor localização e serviços diferenciados.

– A luta pelo espaço urbano é, portanto, uma constante na vida das principais cidades brasileiras. Muito contribui para isso a estratégia da especulação imobiliária;

– As cidades brasileiras cresceram sem respeito ao planejamento urbano;

– O preço dos terrenos e a valorização do espaço urbano vinculam-se não somente à quantidade e qualidade dos equipamentos urbanos, mas também aos elementos físicos dos lugares. Sendo assim, pode-se verificar nas cidades brasileiras uma relação entre relevo e camadas sociais;

– Grande metrópole nacional = SP

– Metrópole nacional: RJ e Brasília;

 

RESUMO DAS PROVAS DE HISTÓRIA

RESUMO DAS PROVAS DE HISTÓRIA

a)      Invasões holandesas:

– A invasão holandesa no Nordeste brasileiro durante o século XVII está relacionada à União Ibérica que atrapalhou os interesses holandeses no comércio do açúcar levando o governo da Holanda a optar pela ocupação das zonas produtoras no Nordeste.

– As invasões se relacionam às desavenças entre holandeses e espanhóis, acirradas durante o processo de independência das províncias do Norte, entre as quais a Holanda que, juntamente com outras províncias dos Países Baixos, foi dominada durante algum tempo pela Espanha.

– Em 1630, os holandeses chegaram a Pernambuco, dominando, sem maiores problemas, Recife e Olinda, apesar dos preparativos de defesa efetuados pelos pernambucanos;

b)      Brasil colônia:

– administração colonial: o objetivo geral da criação do Governo Geral, estabelecido em Salvador em 1549, era centralizar a administração metropolitana na própria colônia;

– As câmaras municipais NÃO representavam a única manifestação autônoma da colônia.

– A abertura dos portos em 1808 beneficiou consideravelmente a Inglaterra;

– Nas áreas do Nordeste e Rio de Janeiro, é possível identificar uma situação de recuperação, marcado pelo surgimento no século XVIII de um novo mercado consumidor nas regiões mineradoras, a partir do “renascimento agrícola”;

– A política pombalina marca o século XVIII, uma vez que proporcionou a instalação de refinarias em Portugal e a criação das Companhias de Comércio do Grão-Pará e do Maranhão;

c)       Revoltas coloniais:

– Sabinada: o alvo do descontentamento era o governo do Regente Feijó, acusado de despotismo pelo jornal Novo Diário da Bahia. Os revoltosos, após a fuga do presidente da província, constituíram um governo provisório e lançaram um manifesto proclamando a independência. Foram derrotados em 1838 pelo governo imperial com o auxílio de fazendeiros do Recôncavo;

– Balaiada: com o apoio do partido liberal, cujos integrantes eram conhecidos por bem-te-vis e de escravos liderados pelo Preto Cosme, os revoltosos lutaram de 1838 a 1842. O coronel Luís Alves de Lima e Silva perseguiu implacavelmente os revoltosos. Este confronto deixou um saldo de aproximadamente 6 mil mortos, entre cativos e sertanejos pobres;

– Guerra dos Farrapos: apoiado pela elite estancieira, o movimento conquistou também a adesão das camadas médias urbanas e de setores do Exército;

– Conjuração baiana: um dos elementos de inspiração do movimento era o ideário revolucionário da República jacobina estabelecida na França entre 1793 e 1794. Os cavaleiros da luz, denominação dos integrantes da sociedade maçônica baiana, impulsionaram o movimento de resistência fazendo circular panfletos que atacavam ferozmente a administração local. O contexto da transferência da capital da colônia para o RJ agravou a situação das camadas mais pobres, sobretudo, pelo aumento nos preços dos produtos e pela diminuição da oferta de empregos na capitania da Bahia;

 

d)      Brasil Império:

– no II Reinado, desenvolveram-se no Brasil as atividades urbanas, caracterizadas pela criação de bancos, construção de ferrovias, abertura de casas comerciais. Esse movimento foi favorecido pelo impulso da renda advinda da produção cafeeira, pelo expressivo aumento das tarifas alfandegárias que ajudaram no incremento da produção manufatureira, pela sobra oriunda do fim do tráfico negreiro e pela guerra de Secessão nos EUA que estimulou a produção de algodão no Brasil;

 

e)      Guerra do Paraguai:

 

– O tratado da Tríplice Aliança, assinado em 1865 por representantes do Brasil, da Argentina e do Uruguai, representava um acordo político, econômico e militar contra o Paraguai;

– Uma das conseqüências da guerra é o fortalecimento da identidade nacional. Ao mesmo tempo, a guerra significou a consolidação do Exército brasileiro como uma importante instituição do Império, passando a exigir uma participação mais ativa na política imperial, o que não era bem visto pela elite política tradicional.

– Os interesses na região platina levaram o Brasil a participar da guerra contra Oribe e Rosas. O primeiro, presidente do Uruguai e líder do partido Blanco e o segundo, presidente da Argentina, que apoiava o presidente uruguaio visando anexar o Uruguai;

– A proibição da navegação brasileira em águas paraguaias e a invasão do território do Mato grosso pelas tropas de Solano López foram o estopim deflagrador do conflito;

– A assinatura do tratado da tríplice aliança em 1865 representou uma derrota diplomática para o Paraguai, que contava com a neutralidade do governo argentino e com o apoio da população de Corrientes, província invadida no mesmo ano;

 

f)       Período regencial:

– O Brasil regencial foi um período politicamente agitado e violento, com uma grande massa de marginalizados da participação política e uma elite que lutava entre si, denominando-se liberais ou conservadores, mas, na prática, se articulavam para a manutenção de seus privilégios;

 

g)      Constituição 1891:

– A elaboração da primeira constituição republicana foi orientada por Rui Barbosa e tomou como base o modelo norte-americano. Mandato de 4 anos, sem reeleição.

 

h)      Tenentismo

– movimento político desencadeado durante a década de 20 por jovens oficiais, a maioria tenentes e capitães, em oposição ao governo e à alta oficialidade, que defendia os interesses da oligarquia. O ápice do movimento ocorreu durante a chamada coluna prestes que percorreu milhares de quilômetros pelo interior do país combatendo as tropas do governo e as forças oligárquicas;

– Um dos resultados práticos mais evidentes da Revolução de 1930 foi a centralização das decisões a respeito da política cafeeira;

 

i)        República velha

 

– Uma das importantes motivações para o advento da República no Brasil foi a perspectiva federalista emanada de algumas províncias;

 

– A abolição da escravidão, em 1888, provocou uma séria crise econômica com a desorganização da produção, ausência das garantias hipotecárias baseadas nos escravos e falta crônica de moeda circulante;

– Guerra de Canudos: episódio ligado ao messianismo e ao revolucionarismo primitivo. A guerra ocorreu no sertão da Bahia e está relacionada às pregações antirrepublicanas do beato Conselheiro;

– Jacobinistas: liderados por Floriano Peixoto, defendiam a militarização da República e um acelerado crescimento econômico.

– Encilhamento: conseqüência da política econômico-financeira de Rui Barbosa que através de emissões e facilidades de crédito buscava promover o desenvolvimento do país;

– Iniciou-se a instalação de fábricas de pequeno e médio porte voltadas para a produção de bens de consumo, mas logo atraiu investidores da indústria automobilística norte-americana, como a Ford e a General Motors, que se instalaram, ainda nos anos 20 do século passado, na cidade de SP;

j)        II Guerra Mundial

– houve o comprometimento definitivo do Brasil à causa aliada que trouxe a presença de tropas norte-americanas ao Norte e Nordeste do país, bem como o envio de material militar, inicialmente aeronaves de combate, a fim de auxiliar na patrulha antissubmarina, proteção de comboios e, eventualmente, proteger contra um ataque alemão.

– Vargas não tomou posse da conta bancária de alemães aqui residentes;

k)      J.K

– Os dois setores estratégicos que J.K preservou para o controle nacional foi a mineração e siderurgia;

– Fez uma política desenvolvimentista que aplicou muitos recursos em áreas estratégicas, como transportes e energia, mas fracassou nos aspectos sociais gerando grande insatisfação popular, principalmente entre os trabalhadores rurais;

l)        Lula

– Nos dois primeiros anos de mandato, Lula buscou afirmar uma posição de liderança do Brasil na América Latina;

– Reconheceu nos países de economia emergente a possibilidade de crescimento da economia, por isso, buscou estreitar relações com países como a Índia, a África do Sul, a China e alguns países árabes;

– Conseguiu junto à OMC, a condenação dos EUA e da U. Europeia pela prática de subsídios aos produtos americanos e europeus;

 

m)    Sarney

– reatou relações diplomáticas com Cuba;

 

n)      FHC

– colapso da economia mundial, iniciada em 1997, nos países do Sudeste Asiático, atingindo posteriormente a federação russa, produziu reflexos no Brasil.

– grave crise de abastecimento de energia, conhecida como apagão;

– aprovação da Lei de Responsabilidade fiscal, com o objetivo de impedir que prefeitos, governadores e o próprio presidente da República gastem mais do que o estabelecido no orçamento;

– aprovação da LDB;

 

  • o)      Constituição 1988:

– independência entre os 3 poderes / eleições diretas em dois turnos para presidência, governos estaduais e prefeituras com mais de 200 mil eleitores;

– limitou a jornada de trabalho para 44 horas semanais, estipulou o seguro-desemprego, ampliou a licença maternidade para 120 dias e concedeu licença-paternidade, fixada mais tarde em 5 dias;

– proibiu a ingerência do Estado nos sindicatos e assegurou aos funcionários públicos o direito de se organizarem em sindicatos e utilizar a greve como instrumento de negociação, salvo nos serviços essenciais;

– procurou dificultar as demissões ao determinar o pagamento de uma multa de 40% sobre o valor total do FGTS nas dispensas sem justa causa;

 

p)      Greves operárias:

– durante a Primeira República, começaram a se desenvolver as classes médias urbanas, assim como a classe operária, que cresceu extraordinariamente à medida que a industrialização se expandiu;

– nas cidades que concentravam a maior parte das indústrias (SP e RJ), cerca de 50% dos operários eram imigrantes europeus, como portugueses, italianos, espanhóis ou seus descendentes;

– as condições de trabalho eram bastante precárias e não havia leis regulamentando a relação patrões-empregados. As jornadas de trabalho eram muito longas; não havia férias, aposentadoria ou descanso semanal remunerado; não havia proteção para o trabalho de mulheres e crianças;

– os operários procuraram se organizar para defender seus interesses, criando associações de auxílio mútuo, fundando jornais e sindicatos, reunindo-se em congressos. Houve também muitas greves nas cidades que concentravam o maior número de indústrias. A maior delas ocorreu em SP, em 1917, envolvendo cerca de 45.000 trabalhadores e paralisando a cidade.

– Por conta das grandes agitações lideradas por operários imigrantes, o governo promulgou uma lei, em 1907, que expulsava do país o estrangeiro que ameaçasse a segurança nacional ou a ordem pública.

q)      João Goulart

– As reformas de base propostas por J. Goulart encontraram forte oposição das associações patronais, sobretudo, por implementar uma política de tributação que consistia no imposto progressivo (quanto maior a renda, mais alta a alíquota do imposto).

– Na marcha liderada por empresários, representantes das camadas médias urbanas e setores da igreja, intitulada Marcha da família com Deus pela liberdade, os manifestantes atacavam diretamente o “comunismo” do governo Goulart;

 

r)       Collor

– Seu modelo econômico é o de incentivos fiscais à importação e privatização de empresas estatais consideradas deficitárias ou pouco competitivas;

 

s)       Era Vargas

– Governo provisório: entre a política de arregimentação da classe trabalhadora implantou-se a Lei de Sindicalização, a partir da qual os sindicatos tornavam-se órgãos consultivos e de colaboração com o governo. Suspensão da constituição republicana de 1891 com o fechamento dos órgãos legislativos e a indicação de interventores militares para os estados. Não houve nessa etapa código de interventores nem acordo comercial com EUA por causa da crise econômica;

– Em relação ao operariado, o Estado Novo procurou anular a sua influência por meio de uma política trabalhista que negava a luta de classes;

– No segundo governo de Vargas (1951-1954), apesar das amplas liberdades consagradas na Constituição vigente, o direito de greve sofreu considerável restrição, dependendo de autorização judicial para configurar-se como legal.

– Durante a década de 1950, parte das atitudes oposicionistas advinha de comandantes militares, cuja ideologia era o anticomunismo de inspiração norte-americana;

 

t)       Revolução Praieira 1848: a insatisfação com a centralização política e o favorecimento do Centro-Sul, além do combate ao domínio oligárquico dos grandes senhores de engenho e ao monopólio do comércio pelos portugueses foram as causas;

 

u)      Escravidão

– O uso da mão de obra escrava pelos colonos não conflitava com os interesses da coroa e nem com os dos jesuítas, mas ao insistirem no cativeiro indígena, os colonos despertaram a oposição dos inacianos;

– As relações contrárias aos padres jesuítas por parte dos colonos acentuou-se pelo fato de os lusos acreditarem que os inacianos retardavam o desenvolvimento de suas atividades econômicas ao dificultar o uso da mão de obra indígena;

– Apesar da importância do café para o conjunto da economia nacional, nas décadas de 1870 e 1880, mais da metade da população escrava existente nas províncias cafeeiras estava alocada em municípios, cuja produção voltava-se para a economia interna;

– O trabalho livre foi implantado no Centro-Oeste para acompanhar o avanço da agricultura de alimentos, da agropecuária e, sobretudo, da pecuária extensiva voltada para o mercado interno;

 

v)      Ligas camponesas: tiveram origem no movimento de trabalhadores rurais do Nordeste, na década de 1950, que lutavam pelo acesso à terra e melhores condições de trabalho. O primeiro congresso Nacional de trabalhadores agrícolas ocorreu sob a liderança de Francisco Julião e pregou a reforma agrária e a extensão das leis trabalhistas no campo;

COMPLEMENTO RESUMO PROVAS HISTÓRIA 2003

COMPLEMENTO RESUMO PROVAS HISTÓRIA 2003/2004, 2004/2005, 2005/2006

Povos indígenas:

– não eram sedentários nem possuíam agricultura intensiva e altamente desenvolvida;

 

Invasões holandesas:

– Enquanto Portugal teve soberania, foi bom parceiro comercial da Holanda;

– Além do açúcar do Brasil, a Companhia das índias ocidentais visava, também, as minas de prata do México e do Peru;

– A tática de guerrilhas se iniciou na Bahia;

 

Grandes navegações:

– Uma das causas que determinaram o surto expansionista europeu foi o renascimento do comércio de escravos;

 

Brasil colônia:

– A ocupação de Portugal pela França precipitou a independência ECONÔMICA do Brasil;

– Nos últimos tempos da colônia, os brasileiros haviam alcançado grande prestígio na monarquia portuguesa;

– A vinda da corte foi favorável ao nosso país;

– O conceito brasileiro no exterior NÃO era de ser um território mais pobre e menos culto que Portugal;

– A Igreja estava estreitamente sujeita ao poder civil;

– Antes da fundação das capitanias, algumas feitorias foram espalhadas pela costa brasileira;

– Martim Soares Moreno foi o conquistador do Ceará;

– A Paraíba NÃO FOI conquistada durante a União Ibérica;

– Além dos lotes iniciais, novas capitanias foram criadas e doadas no Brasil até o século XVIII;

 

Guerra da Cisplatina:

– não houve apoio popular à guerra;

 

Ato adicional de 1834:

– Manteve o senado vitalício

 

II Reinado:

– D. Pedro II governou o Brasil como conhecedor e admirador do Liberalismo europeu;

– Com a questão religiosa, ou questão epicospo-maçônica, os bispos rebeldes foram condenados pelo gabinete conservador de Visconde do Rio Branco e anistiados pelo gabinete conservador de Duque de Caxias;

– O alistamento e o recrutamento não se diferenciavam entre o Exército e a marinha;

 

 

Ditadura militar:

– Castelo Branco constitucionalizou o Brasil em 1967;

– Costa e Silva fez uma primeira abertura durante o ano de 1968;

– Médici tomou posse apelando para que o país voltasse à normalidade democrática;

 

República:

– A corrente filosófica que fundamentou o movimento republicano no Brasil foi o positivismo de Comte;

– Goiânia foi fundada na era getuliana;

– Belo Horizonte NÃO substituiu Juiz de Fora como capital mineira;

– Aracajú NÃO foi construída na época republicana.

– a proclamação da república no Brasil foi retardada pela maioridade de Pedro II;

– Senador Pinheiro Machado era um dos políticos preferidos de Júlio de Castilhos e transformou o morro da graça num poder paralelo ao palácio do catete;

– Rui Barbosa ao vetar Davi Campista facilitou a candidatura de Hermes da Fonseca;

– Pacto de Ouro fino= mineiros e paulistas contra gaúchos;

– Pacto de pedras altas = mudou os postulados da constituição do RS;

– PSP = defesa de idéias liberais / PSD = herdeiro dos velhos partidos oligarcas / PSB = intelectuais de esquerda democrática / PRP = tendência integralista / UDN = extrema direita;

 

II Guerra Mundial:

– A tomada de monte castelo foi em conjunto com os americanos;

– o Brasil participou das discussões de paz no pós-guerra;

– Na conferência consultiva do Panamá, em 1939, o Brasil teve que declarar neutralidade;

– Na reunião de consulta do RJ, em 1942, ficou decidido o rompimento de relações diplomáticas com as nações do Eixo;

 

Escravos:

– Uma das conseqüências da lei áurea é que grande parte da lavoura nacional foi arruinada com a abolição;

 

Resumo Boris Fausto

RESUMO BORIS FAUSTO

BRASIL COLONIAL

– OS AIMORÉS SE DESTACAM PELA EFICIÊNCIA MILITAR E PELA REBELDIA;

– AS PRIMEIRAS TENTATIVAS DE EXPLORAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO SE BASEARAM NO SISTEMA DE FEITORIAS, ADOTADO NA COSTA AFRICANA;

– NENHUM REPRESENTANTE DA GRANDE NOBREZA SE INCLUIA NA LISTA DOS DONATÁRIOS, POIS OS NEGÓCIOS NA INDIA E NAS ILHAS ATLANTICAS ERAM MAIS ATRATIVOS;

– OS DONATÁRIOS NÃO PODIAM VENDER NEM DIVIDIR A CAPITANIA;

– AS POPULAÇÕES INDÍGENAS TINHAM MELHORES CONDIÇÕES DE RESISTIR DO QUE OS ESCRAVOS AFRICANOS;

– A CAPACIDADE PRODUTIVA DO NEGRO ERA BEM SUPERIOR A DO INDÍGENA;

– NO SÉCULO XVI, GUINÉ E COSTA DA MINA FORNECERAM MAIS ESCRAVOS E NO SÉCULO XVII EM DIANTE, AS REGIÕES AO SUL DA COSTA AFRICANA: CONGO E ANGOLA;

– OS NEGROS ERAM MENOS SUSCETÍVEIS AO CONTAGIO DE DOENÇAS;

– A APLICAÇÃO MAIS CONSEQUENTE DA POLÍTICA MERCANTILISTA SÓ SE DEU EM MEADOS DO SÉCULO XVIII, SOB O COMANDO DE MARQUÊS DE POMBAL, QUANDO SEUS PRINCÍPIOS JÁ ERAM POSTOS EM DÚVIDA NO RESTO DA EUROPA;

– HOUVE NA COLÔNIA UMA FASE DE RELATIVA LIBERDADE COMERCIAL DE 1530 A 1571;

– O BRASIL COLONIAL NÃO FOI SÓ OURO NEM AÇUCAR;

– ORDENANÇA ERA FORÇA MILITAR LOCAL COMPOSTA DE HOMENS DE 18 A 60 ANOS, COM EXCEÇÃO DOS PADRES;

– AS CÂMARAS MUNICIPAIS FORAM O ÚNICO ÓRGÃO QUE SOBREVIVEU POR INTEIRO E ATÉ SE REFORÇOU APÓS A INDEPENDÊNCIA;

– IMPUROS ERAM OS CRISTÃOS-NOVOS, OS NEGROS, MESMO QUANDO LIVRES, OS ÍNDIOS EM CERTA MEDIDA E AS VÁRIAS ESPÉCIES DE MESTIÇOS. ELES NÃO PODIAM OCUPAR CARGOS DE GOVERNO;

– DO INÍCIO DA COLONIZAÇÃO ATÉ A EXTINÇÃO FORMAL DA ESCRAVIDÃO INDÍGENA (1757), HOUVE ÍNDIOS CATIVOS E OS CHAMADOS FORROS OU ADMINISTRADOS. ESTES ERAM ÍNDIOS QUE, APÓS A CAPTURA, TINHAM SIDO COLOCADOS SOB A TUTELA DOS COLONIZADORES.

– UM ALVARÁ DE 1755 CHEGOU A ESTIMULAR OS CASAMENTOS MISTOS DE ÍNDIOS E BRANCOS;

– APENAS SP NA ÉPOCA COLONIAL TINHA POPULAÇÃO MAJORITARIAMENTE BRANCA;

– EM GERAL, MULATOS E CRIOULOS ERAM PREFERIDOS PARA AS TAREFAS DOMÉSTICAS, ARTESANAIS E DE SUPERVISÃO, CABENDO AOS ESCUTOS, SOBRETUDO AOS AFRICANOS, OS TRABALHOS MAIS PESADOS;

– A LIBERDADE DE UM EX-ESCRAVO PODIA SER REVOGADA EM CASO DE ATITUDE DE DESRESPEITO AO SEU ANTIGO SENHOR;

– NÃO EXISTIU UMA ATRISTOCRACIA HEREDITARIA;

– AS DIFERENTES ATIVIDADES PROFISSIONAIS NÃO ERAM IGUALMENTE VALORIZADAS;

– A INQUISIÇÃO NÃO SE INSTALOU EM CARÁTER PERMANENTE NO BRASIL E SUAS VISITAS OCORRERAM NA FASE DA UNIÃO IBÉRICA;

– ENTRE A GENTE DE CONDIÇÃO SOCIAL INFERIOR A FAMÍLIA TRADICIONAL (= EXTENSIVA) NÃO EXISTIU, E AS MULHERES TENDERAM A TER MAIOR INDEPENDÊNCIA, QUANDO NÃO TINHAM MARIDO OU COMPANHEIRO;

– AS CIDADES CRESCERAM AOS POUCOS E ERAM DEPENDENTES DO MEIO RURAL;

– A AUSÊNCIA DO ESTADO E O PREENCHIMENTO DE SUAS FUNÇÕES POR GRUPOS PRIVADOS OCORRERAM EM CERTAS ÁREAS, COMO NO SERTÃO NORDESTINO VOLTADO PARA A PECUÁRIA, MAS NÃO SERVE PARA O QUADRO MAIS GERAL DA COLÔNIA;

– ATÉ O SÉCULO XVII, A AÇÃO DAS AUTORIDADES SOMENTE SE EXERCEU COM EFICÁCIA NA SEDE DO GOVERNO GERAL E DAS CAPITANIAS À SUA VOLTA. NAS OUTRAS REGIÕES, PREDOMINARAM AS ORDENS RELIGIOSAS, ESPECIALMENTE A DOS JESUÍTAS;

– O BANDEIRISMO PAULISTA NÃO FOI UMA INICIATIVA DO ESTADO.  TRATOU-SE DE UMA INICIATIVA DA SOCIEDADE LOCAL, INDEPENDENTE DA VONTADE DO PODER METROPOLITANO;

– SÓ O DISTRITO DIAMANTINO CORRESPONDEU À IMAGEM DE UM ESTADO SOBREPOSTO À SOCIEDADE;

– FORAM CONSTRUÍDOS ENGENHOS DE AÇÚCAR EM TODAS AS CAPITANIAS;

– UM DOS OBJETIVOS CENTRAIS DA CRIAÇÃO DO GOVERNO GERAL FOI INCENTIVAR A PRODUÇÃO NA ABANDONADA CAPITANIA DA BAHIA;

– TANTO NO BRASIM COMO EM PORTUGAL NÃO FORAM INSTALADAS REFINARIAS NO PERÍODO COLONIAL;

– NO SÉCULO XVI, OS CRÉDITOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM ENGENHO VINHAM DE FLAMENGOS E ITALIANOS. NO SÉCULO XVII, PELO MENOS NA BAHIA, ESSES CRÉDITOS VIERAM DE INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS E BENEFICENTES E OS COMERCIANTES. ANTES DE 1808, NÃO EXISTIAM BANCOS NO BRASIL, ENTÃO INSTITUIÇÕES COMO A MISERICÓRDIA, ORDEM TERCEIRA DE SÃO FRACNSICO E OUTRAS CUMPRIRAM A FUNÇÃO DE DAR EMPRÉSTIMOS A JUROS;

– EXCEPCIONALMENTE, ESCRAVOS SUBIAM NA HIERARQUIA DAS FUNÇÕES E CHEGAVAM A BANQUEIROS, AUXILIAR DO MESTRE DE AÇÚCAR;

– NEM TODOS OS SENHORES DE ENGENHO ERAM CATÓLICOS DE LONGA DATA, CRISTÃOS-NOVOS ESTIVERAM ENTRE OS PRIMEIROS SENHORES DE ENGENHO BAIANOS;

– EM MEADOS DO SÉCULO XIX, O AÇÚCAR DEIXOU DE TER PAPEL DOMINANTE;

– A TENDÊNCIA À ESPECIALIZAÇÃO NO CULTIVO DA CANA TROUXE COMO CONSEQUÊNCIA UMA CONTÍNUA ESCASSEZ DE ALIMENTOS, INCENTIVANDO A PRODUÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS, ESPECIALMENTE A MANDIOCA.

– A PRODUÇÃO DE FUMO ERA VARIADA, OS MAIS FINOS ERAM EXPORTADOS PARA A EUROPA E OS MAIS GROSSEIROS ERAM UTILIZADOS COMO MOEDA DE TROCA NA COSTA DA ÁFRICA;

– GENTE DA TERRA DA PERNAMBUCO APOIOU A INVASÃO HOLANDESA, ASSIM NO PROCESSO DE RETOMADA DA INSURREIÇÃO PERNAMBUCANA, AS FORÇAS LUSO-BRASILEIRAS ESTAVAM ASSIM LONGE DE CONSTITUIR UMMODELO DE UNIÃO DAS TRÊS RAÇAS;

– HOUVE O ESFORÇO DE ENVIAR EMIGRANTES DOS AÇORES PARA SÃO LUÍS, MAS AS MULHERES BRANCAS ERAM RARAS;

– HOUVE ALGUMAS SEMELHANÇAS ENTRE A REGIÃO PAULISTA EM SEUS TEMPOS MAIS REMOTOS E A PERIFERIA DO NORTE DO BRASIL: FRAQUEZA DE UMA AGRICULTURA EXPORTADORA, FORTE PRESENÇA DE ÍNDIOS, DISPUTA ENTRE COLONIZADORES E MISSIONÁRIOS PELO CONTROLE DOS ÍNDIOS, ESCASSEZ DE MOEDA E FREQUENTE USO DA TROCA NAS RELAÇÕES COMERCIAIS;

– NAS BANDEIRAS, O NÚMERO DE ÍNDIOS E MAMELUCOS SEMPRE SUPEROU O DOS BRANCOS;

– FAISCADORES ERAM MINERADORES SEM ESCRAVOS;

– MARQUÊS DE POMBAL PROCUROU TORNAR A METRÓPOLE MENOS DEPENDENTE DE IMPORTAÇÕES, INCENTIVANDO A INSTALAÇÃO DE MANUFATURAS EM PORTUGAL E MESMO NO BRASIL.

– QUANDO O PRÍNCIPE D. JOÃO VI CHEGOU AO BRASIL, ELE REVOGOU OS DECRETOS QUE PROIBIAM A INSTALAÇÃO DE MANUFATURAS NO BRASIL, ISENTOU DE TIBUTOS A IMPORTAÇÃO DE MATÉRIAS-PRIMAS DESTINADAS À INDÚSTRIA, OFERECEU SUBSÍDIOS PARA AS INDÚSTRIAS DE LÃ, DA SEDA E DO FERRO, ENCORAJOU A INVENÇÃO E INTRODUÇÃO DE NOVAS MÁQUINAS;

– POR DECRETO DE 1808, O COMÉRCIO LIVRE FOI LIMITADO AOS PORTOS DE BELÉM, SÃO LUÍS, RECIFE, SALVADOR E RJ;

– REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA DE 1817: OS REVOLUCIONÁRIOS TOMARAM RECIFE E IMPLANTARAM UM GOVERNO PROVISÓRIO BASEADO EM UMA LEI ORGÂNICA QUE PROCLAMOU A REPÚBLICA E ESTABELECEU A IGUALDADE DE DIREITOS E A TOLERÂNCIA RELIGIOSA, MAS NÃO TOCOU NO PROBLEMA DA ESCRAVIDÃO. AL + PB + RN + PE

PRIMEIRO REINADO

– O PAÍS FOI DIVIDIDO EM PROVÍNCIAS CUJOS PRESIDENTES SERIAM NOMEADOS PELO IMPERADOR;

– O CONSELHO DE ESTADO ERA UM ÓRGÃO COMPOSTO POR CONSELHEIROS VITALÍCIOS NOMEADOS PELO IMPERADOR DENTRE CIDADÃOS BRASILEIROS COM IDADE MÍNIMA DE 40 ANOS, RENDA NÃO INFERIOR A 800 MIL-REIS E QUE FOSSEM PESSOAS DE SABER, CAPACIDADE E VIRTUDE;

– A CONFEDERAÇÃO DO EQUADOR DEVERIA REUNIR SOB FORMA FEDERATIVA E REPUBLICANA, ALÉM DE PERNAMBUCO, AS PROVÍNCIAS DA PARAÍBA, RIO GRANDE DO NORTE, CEARÁ E, POSSIVELMENTE, O PIAUÍ E O PARÁ. A REVOLUÇÃO CONTOU COM VÁRIOS ESTRANGEIROS;

REGÊNCIA

– EM 1832, ENTROU EM VIGOR O CÓDIGO DE PROCESSO CRIMINAL, QUE FIXOU NORMAS PARA A APLICAÇÃO DO CÓDIGO CRIMINAL DE 1830. O CÓDIGO DE PROCESSO CRIMINAL DEU MAIORES PODERES AOS JUÍZES DE PAZ. O CÓDIGO DE PROCESSO INSTITUIU O JÚRI E O HABEAS CORPUS.

– ATO ADICIONAL 1834: O PODER MODERADOR NÃO SERIA EXERCIDO DURANTE A REGÊNCIA, SUPRIMIU O CONSELHO DE ESTADO, OS PRESIDENTES DAS PROVÍNCIAS CONTINUARIAM A SER DESIGNADOS PELO GOVERNO CENTRAL, MAS CRIARAM-SE ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS COM MAIORES PODERES, EM SUBSTITUIÇÃO AOS ANTIGOS CONSELHOS GERAIS. REPARTIÇÃO DE RENDAS ENTRE GOVERNO CENTRAL, PROVÍNCIAS E MUNICÍPIOS + ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS É QUEM FIXAM AS DESPESAS MUNICIPAIS E DAS PROVÍNCIAS + NOMEAR E DEMITIR FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS .

– CRIAÇÃO DA GUARDA NACIONAL = 1831, EM SUBSTITUIÇÃO ÀS ANTIGAS MILÍCIAS. CÓPIA DE UMA LEI FRANCESA DO MESMO ANO. A IDEIA  CONSISTIA EM ORGANIZAR UM CORPO ARMADO DE CIDADÃOS CONFIÁVEIS, CAPAZ DE REDUZIR TANTO OS EXCESSOS DO GOVERNO CENTRALIZADO COMO AS AMEAÇAS DAS CLASSES PERIGOSAS. MANTER ORDEM NO MUNICÍPIO EM QUE É FORMADA;

– GUERRA DOS CABANOS = PERNAMBUCO, ENTRE 1832 E 1835, MOVIMENTO ESSENCIALMENTE RURAL. OS CABANOS REUNIAM PEQUENOS PROPRIETÁRIOS, TRABALHADORES DO CAMPO, ÍNDIOS, ESCRAVOS E, NO INÍCIO, SENHORES DE ENGENHO. ANTECIPARAM O QUE SERIA A REVOLTA DE CANUDOS, LUTARAM EM NOME DA RELIGIÃO, PELO RETORNO DO IMPERADOR.

– É CURIOSO OBSERVAR QUE, EMBORA ENTRE OS CABANOS EXISTISSEM MUITOS ESCRAVOS, A ESCRAVIDÃO NÃO FOI ABOLIDA.

– NA REVOLUÇÃO FARROUPILHA, NEM TODOS OS SETORES DA POPULAÇÃO GAÚCHA ESTIVERAM UNIDOS. OS PRODUTORES DE CHARQUE FICARAM AO LADO DO GOVERNO CENTRAL.

– A INTERPRETAÇÃO DO ATO ADICIONAL DE 1840 RETIRAVA DAS PROVÍNCIAS VÁRIAS DE SUAS ATRIBUIÇÕES, ESPECIALMENTE NO QUE DIZIA RESPEITO À NOMEAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS;

SEGUNDO REINADO

– MEDIDAS DE REGRESSO: REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CRIMINAL EM 1841 + REESTABELECIMENTO DO CONSELHO DE ESTADO + RETORNO DO APARELHO ADMINISTRATIVO E JUDICIÁRIO ÀS MÃOS DO GOVERNO CENTRAL, COM EXCEÇÃO DOS JUÍZES DE PAZ + REFORMA DA GUARDA NACIONAL;

– CRIAÇÃO DOS CARGOS DE DELEGADO E SUBDELEGADO;

– AS MEDIDAS DE REGRESSO E A MAIORIDADE DE D.PEDRO II ASSINALARAM A VITÓRIA DO MODELO CENTRALIZADOR;

– O NOVO PARTIDO LIBERAL DE 1870 DEFENDIA EM SEU PROGRAMA A ELEIÇÃO DIRETA NAS CIDADES MAIORES, O SENADO TEMPORÁRIO, A REDUÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO DE ESTADO, LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EDUCAÇÃO, COMÉRCIO, INDÚSTRIA E A ABOLUÇÃO GRADUAL DA ESCRAVATURA;

– CONSERVADORES = FORTES NA BAHIA E PE / LIBERAIS = FORTES EM SP, MG E RS;

– OS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA ERAM, EM REGRA, ESCOLHIDOS FORA DOS QUADROS DA ELITE PROVINCIAL.

– A MAIORIA DOS NEGROS FOI ENVIADA PARA AS LAVOURAS DO VALE DO PARAÍBA OU FICOU NO RJ. FOI ALIÁS A IMPORTAÇÃO E NÃO O DESLOCAMENTO DE ESCRAVO DA REGIÃO DE MINAS GERAIS A PRINCIPAL FONTE DE SUPRIMENTO DE CATIVOS NESSA FASE DA ECONOMIA CAFEEIRA;

– O RECÔNCAVO E A CIDADE DE SALVADOR, DESDE O INÍCIO DO SÉCULO XIX, A REBELDIA SE INSTALOU, ENTÃO OS GRUPOS DOMINANTES NESTA REGIÃO SE APEGAVAM MENOS AO TRABALHO ESCRAVO;

– DEPOIS QUE O TRÁFICO DE ESCRAVOS FOI PROIBIDO, AÍ SIM A OPÇÃO UTILIZADA FOI A DE ABASTECER ATRAVÉS DE ESCRAVOS NO MERCADO INTERNO, COMPRANDO-OS DE REGIÕES EM DECADÊNCIA;

– 1850 = EXTINÇÃO DO TRÁFICO DE ESCRAVOS + LEI DE TERRAS + CENTRALIZAÇÃO DA GUARDA NACIONAL + PRIMEIRO CÓDIGO COMERCIAL;

– MINISTÉRIO DA CONCILIAÇÃO = 1853-1856 – ACORDO NACIONAL ENTRE LIBERAIS E CONSERVADORES;

– SILVA JARDIM = REPUBLICA PELA REVOLUÇÃO POPULAR / QUINTINO BOCAIÚVA = REPÚBLICA PELA TRANSIÇÃO PACÍFICA;

– REPUBLICANOS DO RJ = MAIOR REPRESENTAÇÃO POLÍTICA DOS CIDADÃOS, DIREITOS E GARANTIAS INDIVIDUAIS, FIM DA ESCRAVIDÃO, FEDERALISMO;

– REPUBLICANOS DE SP = MAIOR ÊNFASE AO FEDERALISMO, BURGUESIA CAFEEIRA, MENOR INTERESSE PELAS LIBERDADES CIVIS E POR EVITAR FALAR NO PROBLEMA DA ESCRAVIDÃO;

– OS LIBERAIS DO PERÍODO REGENCIAL, COM O REGENTE FEIJÓ, REDUZIRAM OS EFETIVOS MILITARES E CRIARAM A GUARDA NACIONAL;

– LEI SARAIVA, 1881 = REFORMA ELEITORAL PROPOSTA NO IMPÉRIO QUE ESTABELECIA O VOTO DIRETO PARA AS ELEIÇÕES LEGISLATIVAS, ACABANDO COM A DISTINÇÃO ENTRE VOTANTES E ELEITORES, MANTINHA-SE O VOTO CENSITÁRIO E INTRODUZIA-SE O CENSO LITERÁRIO, OU SEJA, ANALFABETOS NÃO PODIAM MAIS VOTAR E O DIREITO DE VOTO ERA ESTENDIDO AOS NÃO-CATÓLICOS, AOS BRASILEIROS NATURALIZADOS E AOS LIBERTOS;

– A BALANÇA COMERCIAL DO IMPÉRIO FOI NO GERAL POSITIVA, MAS TINHA QUE ATENDER AO SERVIÇO DA DÍVIDA EXTERNA;

 

REPÚBLICA VELHA

– CONSTITUIÇÃO DE 1891 = MANDATO DE DEPUTADO POR 3 ANOS E PRESIDENTE 4 ANOS. OS SENADORES COM MANDATO DE 9 ANOS, 3 SENADORES REPRESENTANDO CADA ESTADO;

– NA REVOLUÇÃO FEDERALISTA, TÍNHAMOS = REPUBLICANOS HISTÓRICOS (POPULAÇÃO DO LITORAL) X LIBERAIS, FEDERALISTAS OU MARAGATOS (POPULAÇÃO RURAL). MOTIVO= REVISAR A CONSTITUIÇÃO ESTADUAL QUE PERMITIA A REELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA PROVÍNCIA;

– O VOTO NÃO ERA OBRIGATÓRIO, NEM SECRETO. O COMPARECIMENTO ELEITORAL NA REPÚBLICA VELHA CRESCEU EM RELAÇÃO AO IMPÉRIO.

– SERIA ERRÔNEO PENSAR QUE OS CORONEIS DOMINARAM A CENA POLÍTICA DA PRIMEIRA REPÚBLICA, POIS ELES DEPENDIAM DE OUTROS GRUPOS;

– OS POLÍTICOS GAÚCHOS REPRESENTAVAM UM ESTADO DEDICADO ESSENCIALMENTE A ATIVIDADES VOLTADAS PARA O MERCADO INTERNO;

– NA IMIGRAÇÃO, O AUXÍLIO DO GOVERNO SÓ ERA DADO A QUEM FOSSE ENCAMINHADO PARA AS FAZENDAS;

– UMA CARACTERÍSTICA DA IMIGRAÇÃO PORTUGUESA FOI A SUA CONCENTRAÇÃO MAIOR NAS CIDADES;

– O COLONATO VEIO SUBSTITUIR A EXPERIÊNCIA FRACASSADA DA PARCERIA. OS COLONOS, OU SEJA, A FAMÍLIA DE TRABALHADORES IMIGRANTES, SE RESPONSABILIZAVAM PELO TRATO DO CAFEZAL E PELA COLHEIRA, RECEBENDO BASICAMENTE DOIS PAGAMENTOS EM DINHEIRO: UM ANUAL, PELO TRATO DE TANTOS MIL PÉS DE CAFÉ E OUTRO POR OCASIÃO DA COLHEITA.

– “CONTRATOS DE FORMAÇÃO” = OS COLONOS PLANTAVAM O CAFÉ, CUIDAVAM POR 4 ANOS, NÃO RECEBIAM SALÁRIOS, MAS PODIAM PLANTAR GÊNEROS ALIMENTÍCIOS ENTRE AS FILEIRAS DOS CAFEZAIS NÃO SÓ PARA O SEU CONSUMO, COMO PARA A VENDA EM MERCADOS LOCAIS;

– AO MESMO TEMPO QUE A PRODUÇÃO CAFEEIRA AUMENTOU, OCORREU EM SP UMA DIVERSIFICAÇÃO AGRÍCOLA QUE SE LIGA À ASCENSÃO DOS IMIGRANTES. ESTIMULADA PELAS CIDADES EM CRESCIMENTO, A PRODUÇÃO DE ARROZ, FEIJÃO E MILHO EXPANDIU-SE.

– O ESTADO NÃO FOI NEM UM ADVERSÁRIO NEM UM INCENTIVADOR DA INDÚSTRIA NA REPÚBLICA VELHA;

– ENQUANTO SP TEVE COMO CENTRO DE SUAS ATIVIDADES A AGRICULTURA DE EXPORTAÇÃO, O RS DESENVOLVEU-SE QUASE INTEIRAMENTE EM FUNÇÃO DO MERCADO INTERNO;

– O MOVIMENTO OPERÁRIO CARIOCA TENDEU A BUSCAR O ALCANCE DE REIVINDICAÇÕES IMEDIATAS, COMO AUMENTO DE SALÁRIO. A TRANSFORMAÇÃO RADICAL DA SOCIEDADE NÃO FAZIA PARTE DE SUAS REINVIDICAÇÕES. AO CONTRÁRIO DISSO, NO MOVIMENTO DE SP PREDOMINOU O ANARQUISMO, O ANARCO-SINDICALISMO, TINHA POR OBJETIVO A TRANSFORMAÇÃO RADICAL DA SOCIEDADE E A IMPLANTAÇÃO DO SOCIALISMO;

– A MAIORIA DOS FUNDADORES DO PARTIDO COMUNISTA PROVINHA DO ANARQUISMO.

– LEI ANÍBAL DE TOLEDO OU LEI CELERADA = AUMENTOU OS PODERES DO GOVERNO PARA FECHAR ORGANIZAÇÕES CUJOS ATOS FOSSEM CONSIDERADOS LESIVOS AO BEM PÚBLICO;

ERA VARGAS

– A IGREJA LEVOU A MASSA DA POPULAÇÃO CATÓLICA A APOIAR O NOVO GOVERNO DE VARGAS. ESTE, EM TROCA, TOMOU MEDIDAS IMPORTANTES EM SEU FAVOR, DESTACANDO-SE UM DECRETO DE 1931, QUE PERMITIU O ENSINO DA RELIGIÃO NAS ESCOLAS PÚBLICAS;

– CÓDIGO DOS INTERVENTORES = 1931, NORMAS DE SUBORDINAÇÃO DOS INTERVENTORES AO PODER CENTRAL. LIMITAVA A ÁREA DE AÇÃO DOS ESTADOS, QUE FICARAM PROIBIDOS DE CONTRAIR EMPRÉSTIMOS EXTERNOS SEM AUTORIZAÇÃO DO GOVERNO FEDERAL, GASTAR MAIS DE 10% COM SERVIÇO DE POLÍCIA MILITAR, PROIBIDOS DE DOTAR AS POLÍCIAS ESTADUAIS DE ARTILHARIA OU AVIAÇÃO EM PROPORÇÃO SUPERIOR AO EXÉRCITO;

– SURGIMENTO DAS JUNTAS DE CONCILIAÇÃO E JULGAMENTO PARA ARBITRAR CONFLITOS ENTRE PATRÕES E OPERÁRIOS, UM ÚNICO SINDICATO POR CATEGORIA PROFISSIONAL DE 1931 A 1934. DEPOIS DE 1934, ADOÇÃO DO PRINCÍPIO DE PLURALIDADE SINDICAL (POSSIBILIDADE DE RECONHECIMENTO DE MAIS DE 1 SINDICATO POR CATEGORIA);

– REFORMA CAMPOS = O ENSINO SECUNDÁRIO PASSA A TER UM CURRÍCULO SERIADO, O ENSINO EM DOIS CICLOS, A FREQUÊNCIA OBRIGATÓRIA, A EXIGÊNCIA DE DIPLOMA DO NÍVEL SECUNDÁRIO PARA INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR;

– CÓDIGO ELEITORAL = 1ª LEI NACIONAL, OBRIGATORIEDADE DO VOTO E CARÁTER SECRETI,

– 1927: LEI ESTADUAL ELEITORAL DO RN, ERA UMA LEI ESTADUAL;

– NA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932, O ESPERADO APOIO DO RS E MG NÃO OCORREU, O PLANO DOS REVOLUCIONÁRIOS ERA REALIZAR UM ATAQUE FULMINANTE CONTRA A CAPITAL DA REPÚBLICA. DIVERSOS SETORES DA SOCIEDADE PAULISTA PARTICIPARA, COM EXCEÇÃO DA CLASSE OPERÁRIA ORGANIZADA;

– CONSTITUIÇÃO 1934 = PROIBIÇÃO DE DIFERENÇA DE SALÁRIOS PARA UM MESMO TRABALHO, POR MOTIVO DE IDADE, SEXO, NACIONALIDADE OU ESTADO CIVIL. O ENSINO RELIGIOSO SERIA DE FREQUÊNCIA FACULTATIVA NAS ESCOLAS PÚBLICAS, SENDO ABERTO A TODAS AS CONFISSÕES, NÃO SÓ A CATÓLICA. QUESTÕES DA SEGURANÇA NACIONAL;

– LEI DE SEGURANÇA NACIONAL = 1935, CRIMES CONTRA A ORDEM POLÍCITA E SOCIAL, TAIS COMO A GREVE DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS, ETC;

– PODEMOS SINTETIZAR O ESTADO NOVO SOB O ASPECTO SOCIOECONÔMICO, DIZENDO QUE REPRESENTOU UMA ALIANÇA DA BUROCRACIA CIVIL E MILITAR E DA BURGUESIA INDUSTRIAL, CUJO OBJETIVO COMUM IMEDIATO ERA O DE PROMOVER A INDUSTRIALIZAÇÃO DO PAÍS SEM GRANDES ABALOS SOCIAIS;

– AS FORÇAS ARMADAS FORAM AS RESPONSÁVEIS PELA INSTALAÇÃO DE UMA INDÚSTRIA ESTATAL DO AÇO

– VARGAS APROVOU OS PLANOS MILITARES PARA A COMPRA DE ARMAS ALEMÃS, INGLESAS, DA TCHECOSLOVÁQUIA, EUA.

– A PARTIR DE 1937, O ESTADO EMBARCOU COM MAIOR DECISÃO EM UMA POLÍTICA DE SUBSTITUIR IMPORTAÇÕES PELA PRODUÇÃO INTERNA E DE ESTABELECER UMA INDÚSTRIA DE BASE;

– NOVO CÓDIGO DE MINAS = 1940, PROIBIA-SE A PARTICIPAÇÃO DE ESTRANGEIROS NA INERAÇÃO E NA METALURGIA;

– A POLÍTICA DO CNP (CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO CRIADO EM 1938) BLOQUEOU A INICIATIVA DE EMPRESAS ESTRANGEIRAS;

– EM 1940, FOI CRIADO O IMPOSTO SINDICAL – INSTRUMENTO BÁSICO DE FINANCIAMENTO DO SINDICATO E DE SUA SUBORDINAÇÃO AO ESTADO;

– A PARTIR DE 1936, UMA LEI SEPAROU ENTRE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS E EXTRANUMERÁRIOS.

– O PERÍODO DE 1934-1940 CARACTERIZOU-SE PELA CRESCENTE PARTICIPAÇÃO DA ALEMANHA NO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL;

– A FEB NÃO FOI UMA INICIATIVA IMPOSTA PELOS ALIADOS, FOI UMA DECISÃO DO GOVERNO BRASILEIRO;

– FUNDAÇÃO DO BNDE = 1952

– PLANO ARANHA = SEGUNDO GOVERNO DE VARGAS, TINHA POR OBJETIVO CONTROLAR A EXPANSÃO DO CRÉDITO E DO CÂMBIO NAS TRANSAÇÕES COM O EXTERIOR.

– MARCHAS DA PRODUÇÃO = MARCHAS DO SETOR CAFEEIRO CONTRA O CONFISCO CAMBIAL PRESENTE NA INSTRUÇÃO Nº 70 DA SUMOC;

– MANIFESTO DOS CORONEIS = DEFENDIA A NECESSIDADE DE SE REEQUIPAR O EXÉRCITO, REVER VENCIMENTOS E ESTABELECER CRITÉRIOS MAIS JUSTOS DE PROMOÇÃO. O DOCUMENTO DEMONSTRAVA UM ESTADO DE INQUIETAÇÃO DO EXÉRCITO DURANTE O SEGUNDO GOVERNO DE VARGAS;

– MANIFESTO DOS GENERAIS = EXIGIAM A RENÚNCIA DE VARGAS APÓS O ATENTADO A CARLOS LACERDA;

– CARTA BRANDI = UMA SUPOSTA CARTA QUE MOSTRAVA JOAO GOULART SE ALIANDO A PERÓN PARA DEFLAGRAR NO BRASIL UM MOVIMENTO ARMADO, QUE INSTAURARIA UMA REPÚBLICA SINDICALISTA;

– NACIONAL-DESENVOLVIMENTISMO = SINTETIZA UMA POLÍTICA ECONÔMICA QUE TRATAVA DE COMBINAR O ESTADO, A EMPRESA PRIVADA NACIONAL E O CAPITAL ESTRANGEIRO PARA O DESENVOLVIMENTO, COM ÊNFASE NA INDUSTRIALIZAÇÃO;

– JK ROMPE COM O FMI;

– JÂNIO QUADROS REPRESENTAVA AS ESPERANÇAS DA ELITE ANTIGETULISTA;

– PLANO ECONÔMICO DE JÂNIO = FORTE DESVALORIZAÇÃO CAMBIAL, CONTENÇÃO DOS GASTOS PÚBLICOS E DA EXPANSÃO MONETÁRIA. OS SUBSÍDIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE TRIGO E PETRÓLEO FORAM REDUZIDOS, O QUE PROVOCOU UMA ELEVAÇÃO NO PREÇO DO PÃO E DOS COMBUSTÍVEIS;

– HOUVE UM AVANÇO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS, COMO OS SETORES ESQUECIDOS DO CAMPO. O MOVIMENTO RURAL MAIS IMPORTANTE DO PERÍODO FOI O DAS LIGAS CAMPONESAS, TENDO COMO LÍDER OSTENSIVO UMA FIGURA DA CLASSE MÉDIA URBANA – O ADVOGADO PERNAMBUCANO FRANCISCO JULIÃO, QUE PROMOVEU AS LIGAS À MARGEM DOS SINDICATOS E TRATOU DE ORGANIZAR OS CAMPONESES. AS LIGAS COMEÇARAM A SURGIR EM FINS DE 1955, PROPONDO DEFENDER OS CAMPONESES CONTRA A EXPULSÃO DA TERRA, A ELEVAÇÃO DO PREÇO DOS ARRENDAMENTOS, A PRÁTICA DO CAMBÃO, PELA QUAL O COLONO DEVERIA TRABALHAR UM DIA POR SEMANA DE GRAÇA PARA O DONO DA TERRA.

– SURGIRAM LIGAS EM VÁRIOS PONTOS DO PAÍS, SOBRETUDO NO NORDESTE.

– EM 1961, REALIZOU-SE EM BH O I CONGRESSO NACIONAL DOS TRABALHADORES AGRÍCOLAS.

– A IGREJA CATÓLICA PROMOVEU NO NORDESTE A SINDICALIZAÇÃO RURAL, AO MESMO TEMPO QUE SE OPÔS ÀS LIGAS CAMPONESAS.

– REFORMAS DE BASE DE JOÃO GOULART:

A) REFORMA AGRÁRIA = COM O OBJETIVO DE ELIMINAR CONFLITOS PELA POSSE DA TERRA E GARANTIR O ACESSO;

B) REFORMA URBANA = CRIAR CONDIÇÕES PELAS QUAIS OS INQUILINOS PODERIAM SE TORNAR PROPRIETÁRIOS DAS CASAS ALUGADAS;

C) REFORMA POLÍTICA = NECESSIDADE DE ESTENDER O DIREITO DE VOTO AOS ANALFABETOS E AOS INFERIORES DAS FORÇAS ARMADAS.

– PLANO TRIENAL = REFORMA AGRÁRIA, REFORMAS ADMINISTRATIVAS, REDUÇÃO DOS GASTOS PÚBLICOS, MAS NÃO DOS INVESTIMENTOS PÚBLICOS, CORTE DE SUBSÍDIOS A ALGUNS PRODUTOS IMPORTADOS, AUMENTO DOS IMPOSTOS SOBRE OS GRUPOS DE RENDA MAIS ALTA.

– PAEG = CASTELO BRANCO, REDUZIR O DEFICIT DO SETOR PÚBLICO, CONTRAIR O CRÉDITO PRIVADO E COMPRIMIR OS SALÁRIOS. BUSCOU CONTROLAR OS GASTOS DOS ESTADOS, MELHORA DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS PÚBLICAS, CORTE DE SUBSÍDIO A PRODUTOS BÁSICOS COMO TRIGO E PETRÓLEO. INTRODUÇÃO DA CORREÇÃO MONETÁRIA PARA PAGAMENTO EM ATRASO.

– FIM DA ESTABILIDADE NO EMPREGO APÓS 10 ANOS, CRIAÇÃO DO FGTS;

– AI 2 = A ELEIÇÃO PARA PRESIDENTE E VICE SERÁ REALIZADA POR MAIORIA ABSOLUTA NO CONGRESSO + EXTINÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS EXISTENTES;

– AI 3 = ELEIÇÃO INDIRETA PARA GOVERNADOR ATRAVÉS DAS ASSEMBLEIAS ESTADUAIS;

– AI 13 = PENA DE BANIMENTO DO TERRITÓRIO NACIONAL A TODO BRASILEIRO QUE SE TORNAR NOCIVO À SEGURANÇA;

– AI 14 = PENA DE MORTE PARA OS CASOS DE GUERRA EXTERNA, PSICOLÓGICA OU REVOLUCIONÁRIA;

– 1982 = VOTO DIRETO PARA VEREADOR, PREFEITO E GOVERNADOR;

– A DITADURA MILITAR NÃO TEVE CARACTERÍSTICAS FASCISTAS;

– EM 1985, A LEI APROVOU O DIREITO DE VOTO AOS ANALFABETOS, ASSIM COMO A LEGALIZAÇÃO DE TODOS OS PARTIDOS POLÍTICOS.

– PLANO CRUZADO = O CRUZEIRO VIRA CRUZADO, A INDEXAÇÃO FOI ABOLIDA, OS PREÇOS, OS ALUGUEIS E A TAXA DE CÂMBIO FORAM CONGELADOS, REAJUSTE DO SALARIO MINIMO PELO VALOR DOS 6 ÚLTIMOS MESES, GATILHO SALARIAL, ABONO DE 8%.

 

Só mais um site Rumo à EsFCEx